Bons Estudos!

Bons Estudos!

terça-feira, 21 de março de 2017

6ª ano 5ª série do INSP 2017 - Oficina de Fonte históricas.


Oficina e exposição sobre fontes históricas
Documentos ou fontes históricas são as pistas, os vestígios do passado, deixados por indivíduos e sociedades, que nos permitem desvendar seus hábitos, seus costumes e formas de organização. Muitos vestígios se perderam ao longo do tempo.  Outros, contudo, tem sido preservados, guardados, e são encontradas em instituições como arquivos, bibliotecas, museus ou coleções. Nesta oficina iremos destacar a importância das fontes históricas e do ofício do historiador, na qual, os alunos do 6º ano irão de forma lúdica compreender o trabalho do historiador e os instrumentos que este profissional utiliza em seu dia a dia, as chamadas fontes históricas, que são divididas em fontes materiais, escritas, iconográficas ou visuais e orais.
A proposta de trabalho é construir uma exposição de fontes históricas, utilizando fontes 
(Materiais, Orais, Escritas ou Visuais) que fazem parte do dia a dia do aluno e de sua família.
Desenvolvendo este projeto, você conhecerá um pouco mais sobre as fontes históricas e o 
papel do historiador na prática.  Ao término do trabalho, você deverá ser capaz de:
-          Compreender e diferenciar as diversas fontes históricas.


-          Debater com seus colegas os aspectos mais relevantes da sua fonte e identificar a sua importância para a o meio social de uma determinada época.

-          Se o meu grupo foi sorteado e pegou a fonte escrita?
-          Irei buscar livros, jornais, certidões de nascimento, testamentos, letras de músicas, livros, receituários, discursos, diários, autobiografias, revistas, textos de órgãos públicos, religiosos e de empresas. Em geral, encontram-se guardados em arquivos universitários e governamentais, igrejas, centros de documentos de empresas ou em coleções particulares.

-          Se o meu grupo foi sorteado e pegou a fonte Visual ou iconográfica?
-          Irei buscar pinturas, gravuras, charges, desenhos, fotografias, anúncios de publicidade e outros, sempre importantes como fontes históricas informativas de épocas, pessoas e das sociedades nas quais foram produzidos. No caso específico das pinturas, é possível identificar muitos aspectos do cotidiano, como cenas urbanas e rurais, trabalho escravo e vestuário, dentre outros aspectos.

-          Se o meu grupo foi sorteado e pegou a fonte Oral?
-          Irei buscar depoimentos, memória, histórias tradicionais baseadas nas lendas e contos antigos passados de pai para filho, através de depoimentos transmitidos através da oralidade, ou seja, da fala.

-          Se o meu grupo foi sorteado e pegou a fonte Material?
-          Irei buscar vestígios de construções, instrumentos, utensílios, fósseis, restos petrificados de animais e vegetais, ferramentas, esculturas, armas e objetos antigos.

Pré-requisito

Estudo da unidade: Fontes históricas e o papel do historiador.

Onde encontrar?

-          Nosso livro didático de história edição antiga nas paginas 13 a 17.
-          Nosso livro didático de história edição reformulada nas paginas 14 a 19.
-    Ou no blog do professor André Tavares

-          Pontuação:
-          Trabalho vale 3,0 pontos
-          1,0 ponto referente à apresentação da(s) fonte(s) histórica(s) apresentada(s) pelo 
grupo,
-          1,0 ponto referente a organização, limpeza e criatividade na confecção do stand,
-      1,0 ponto referente à apresentação oral do grupo, sobre as curiosidades da(s) sua(s) 
fonte(s) histórica(s) para os visitantes.

-          Itens Obrigatórios
-          Cada fonte terá que estar identificada com um papel ao lado da fonte, com o nome, 
data  e a sua importância para a época.
-          Todos os grupos terão que estar identificados com um crachá, com o nome do inte-
grante  e o nome do grupo. (pode ser camisa, porém não é obrigatório).
-          Materiais a serem utilizados na confecção do seu stand, cartolina, papel metro, papel 
para decoração da mesa do stand. (Obs: Não é permitida a utilização de isopor na confecção, 
visto que esse material devido ao longo de decomposição traz sérios prejuízos à natureza).

6 ano A 


Fonte Oral
Clara Boaventura
Júlia
Rebekah Mili
Rebeka Lima
Maille
Guilherme

Fonte Material
Maria Bela
Pedro
Giulllia
Rafaela
Bianca
Rayana
Maria Luiza

Fonte Visual
Saulo
Davi
Cauã
Giovana
Mikaele
Ana Valéria
Kaio

Fonte Escrita
Milton
João
Luiz
Artur
Bruna

6º ano B

Fonte Oral
Ramon Padilha
Pedro Henrique
Davi
Felipe
João Marcelo
Ramon Felipe

Fonte Material
Thomás
João Pedro Ramos
Thiago
Guilherme
João Pedro Andrade
Pedro
Gabrielle

Fonte Visual
Laura
Maria Eduarda
Ianna
Camille
Teresa
Vitor Ramos
Kaiane

Fonte Escrita
Camila
Marina
Sara
Maria Fernanda
Mariana
Victor Costa
João Felipe

6º ano C

Fonte Oral
Paulo
Taylan
Rafaella
João Pedro
Guilherme
Enrico

Fonte Material
Fernanda
Nicóle
Ianna
Gabriel Cabral
Bernardo
Rodrigo Paiva
Dulce

Fonte Visual
Lavinia
Giovanna
Maria Giulia
Clara
Hillary
Lucas
Antônio

Fonte Escrita
Domingos
Israel
Justus
Maria Clara
Jullia de Souza
Raquel

Início dia 17/03/2017
Apresentação dia 31/03;2017 na Piedade.

Vamos nessa galerinha!



sábado, 18 de março de 2017

8ª ano 7ª série INSP 2017 - Revisão da Prova de História!


Obs: Refazer os exercícios sobre o tráfico negreiro!

1 – Explique como a crise sucessória de Portugal favoreceu a coroa espanhola e qual o nome dado a esse período histórico?

R- Com a morte D. Sebastião o último rei da Dinastia Avis, em um conflito no Norte da África na Batalha de Alcácer Quibir contra os Mouros em 1578 ele morre e não deixa um sucessor. Desta forma o seu parente mais próximo seria Felipe II o Rei da Espanha que dá início a hegemonia espanhola que ficou conhecida como União Ibérica.

2 – Com as suas palavras, defina corretamente o que foram as Entradas, Bandeiras, Monções, Missões e Sertanismo de contrato.

R - Entradas eram expedições oficiais portuguesas que partiam do litoral brasileiro, entravam pelo sertão a procura de ouro e pedras preciosas, já as bandeiras, eram expedições particulares com disciplina militar, que saiam de São Paulo buscar Índios, ouro e pedras preciosas, porém as monções eram expedições comerciais que seguiam de canoas pelos leitos dos rios, para abastecer de alimentos, roupas, remédios e ferramentas, as missões que eram grandes aldeamentos indígenas organizados pelos padres Jesuítas que buscavam catequizar os indígenas e educar os brancos e por final o sertanismo de contrato era um tipo de bandeira que buscava aprisionar escravos e Índios fugitivos.

3 – Destaque os dois principais motivos que levaram a Revolta de Beckman e os explique.

R - A Proibição da mão de obra indígena e a maneira desleal que a Companhia de Comércio do Maranhão agia alterando pesos e medidas e fornecendo escravos, ferramentas e roupas em um valor muito alto.

4 - O interesse do rei de Portugal pelas riquezas do Sul, fez erguer um povoado na margem esquerda do Rio da Prata em 1680. Quais eram essas áreas consideradas terras de ninguém e qual o risco dessas terras em mãos Portuguesas para os Hispânicos?

R – A Colônia de Laguna e a colônia de Sacramento (atual Uruguai) eram consideradas terras de ninguém, porém, deixar Sacramento nas mãos lusitanas era um grande risco para os espanhóis, pois, julgavam que os portugueses contrabandeavam uma boa parte do carregamento da prata que circulava pela região platina com os Ingleses.

5 – Explique o que foi o princípio do “Uti Possidetis” e em qual tratado ele foi usado?
R - Foi uma proposta do Embaixador Alexandre de Gusmão que foi buscar no direito romano o princípio do Uti Possidetis que defendia a útil posse da terra, em outras palavras, significava que a terra é de quem vive nela (ocupação) e essa proposta iria redefinir as novas fronteiras de Portugal e Espanha no Tratado de Madri.

6 - Explique o que estabelecia os seguintes Tratados:
Tratado de Utrecht, Tratado de Madri, Tratado de Ildefonso e Badajós.

Utrecht 1713
R - Foi um tratado firmado entre França e Portugal, esse primeiro tratado estabeleceu a retirada dos franceses da margem esquerda do Rio Amazonas e instituiu o rio Oiapoque como a divisa natural para as terras do Brasil e Guiana Francesa.
Madri 1750
R - Tratado entre Portugal e Espanha, o qual estipulou que a Colônia de Sacramento pertenceria aos espanhóis, em troca, Portugal ganhou os territórios da Amazônia, os limites de fronteira nas regiões do Mato Grosso e da região de Sete Povos das Missões, no atual estado do Rio Grande do Sul.
Ildefonso 1777
R - Este tratado determinava que a região de Sete Povos das Missões e a Colônia de Sacramento seria de domínio dos espanhóis e devolviam algumas terras que haviam ocupados no Rio Grande do Sul, para os portugueses como Santa Catarina, essa proposta não foi aceita.
Badajós 1801
R - O Tratado de Badajós devolveu a região de Sete Povos das Missões para Portugal e a Colônia de Sacramento para os espanhóis.


7 – O que motivou Portugal a assinar o Tratado de Utrecht, explique.

R – O rei da França Luís XIV (O Rei Sol) estava do lado da Espanha, pois ele queria colocar o seu neto Filipe de Anjou no trono da Espanha) Portugal sendo agora rival da Espanha se preocupa em proteger o seu território ao norte, pois logo acima tem a Guiana Francesa e sendo assim a Espanha aliada a França poderia tomar aquele território.

8Com as suas palavras explique o que motivou o Ministro Marquês de Pombal anular o tratado de Madri.


R - O Marquês De Pombal representante dos domínios ultramarinos portugueses ficou muito atordoado com tanta violência que a Guerra Guaranítica gerou entre indígenas mais Jesuítas espanhóis contra Portugal e Espanha, pois os indígenas se recusavam a sair da região dos 7 Povos das Missões e ir para a Colônia de Sacramento, sendo assim o representante português, anula o Uti Possidetis e estabelece um novo tratado o de El Pardo.


9 - Destaque dois motivos que levaram Portugal iniciar a corrida do ouro?

R - O primeiro foi que uma grave crise econômica atingia a Europa na segunda metade do século XVII e o segundo motivo, foi a queda da venda do açúcar ocasionado pela concorrência com os holandeses nas Antilhas.


10 – Diferencie a atividade mineradora da atividade açucareira.

R – A diferença entre a atividade mineradora para a açucareira é que a primeira não requer muitos funcionários e desta forma o custo é bem menor e tem mobilidade social e já a segunda requer muitos trabalhadores e o seu custo é muito maior, porém se a pergunta se referir a sociedade de ambas, não esqueça que na açucareira, não existe mobilidade social e na mineradora sim.

11 – Identifique os principais impostos cobrados pela coroa portuguesa, explicando cada um deles.

R - Os principais impostos foram o quinto ou 20% do ouro extraído iria para a coroa, a capitação que era a cobrança de 17 gramas de ouro de cada escravo do minerador e o derrama que entraria em ação se caso o quinto não superasse as 100 arrobas (1500 kg) anuais, tomaria posse de bens pessoais do minerador para quitar o seu débito.

12 – De acordo com o assunto estudado, o que motivou a expansão das fronteiras da América Portuguesa além da linha de Tordesilhas?

R – O que motivou a expansão das fronteiras portuguesas além do Tratado de Tordesilhas foram: as bandeiras, as monções e a criação de gado.

13 – Quem eram os Emboabas e qual a consequência desse conflito?

Os emboabas eram como os portugueses e forasteiros eram chamados de forma pejorativa pelos paulistas e a consequência desse conflito foi a expulsão dos paulistas da região mineradora e consequentemente a coroa com medo de perder o controle desta área, dá início a construção das primeiras Vilas.

14 – O que foi a Revolta de Vila Rica?


R -  Foi um movimento comandado pelo tropeiro português Felipe dos Santos contra a criação das casas de fundição, onde o governo português foi pego de surpresa e não reagiu, porém depois adotou medidas severas contra o líder do movimento.

segunda-feira, 13 de março de 2017

6ª ano 5ª série do INSP 2017 - Correção da atividades do livro páginas 32 e 33.


  1)
      a) XV.
f) XXI.
K) V a.C.
      b) I a.C.
g) III.
L) XI
c)  XX.
d)  IV a.C.
h)  II a.C.
i)  IV

     e) XVIII.
j) XX


Ordem cronológica:
401 a.C., 400 a.C., 105 a.C., 5 a.C., 206, 356, 1001,
1500, 1789, 1999, 2000, 2011.


2)    
a) A invenção da escrita (Cuneiforme).

b)  Na Idade Contemporânea.

c)  A periodização clássica é criticada por vários historiadores por não expressar a história da maior parte das sociedades humanas ela destaca o eurocentrismo.

d)  A pré-história, segundo essa divisão, corresponde ao período do desenvolvimento da sociedade humana anterior à invenção da escrita.

e)  Muitos historiadores questionam essa classificação porque ela se baseia na ideia de que os povos sem escrita não tem história. Isso quer dizer, que os povos sem escrita não têm história e isso é um preconceito muito grande, pois desconsidera os outros tipos de fontes históricas.

3)   Calvin está angustiado com a velocidade do tempo. Porém, ele sente o tempo correr muito rápido, pois junho, o primeiro mês das férias escolares nos Estados Unidos acabou. As férias, tão valorizadas pelas crianças, são sentidas como algo que passa correndo, um bem valioso que vai embora como a areia que desliza pelos dedos. Desta forma, com a chegada do mês de julho, um sinal que parte das férias já foi embora. Haroldo, sábio e irônico, diz para si mesmo que prefere não estar por perto quando o mês de agosto terminar. Será o fim das férias e o reinício das aulas. Se Calvin estava furioso faltando ainda dois meses para o término das férias, imagine como estaria no final delas. A última fala de Calvin expressa a nossa incapacidade de controlar o tempo e o quanto podemos nos sentir impotentes se pensarmos muito sobre o assunto. Por essa razão, ele corre, como se, ao fazer isso, pudesse acompanhar o tempo e não sofrer muito com a perda do que passou. Dessa forma, é importante viver cada dia intensamente, sem desprezar o tempo com coisas que não são essenciais.


4)    
a)   A repetição da palavra “tempo” confere ritmo aos versos, dai o título da canção. Por meio da repetição, o autor destaca a palavra “tempo” envolvendo a todos os leitores da mensagem no movimento ritmado do fluir do tempo. O tempo, num martelar constante, trilha o seu caminho.

b)   Senhor bonito, compositor de destinos, tambor de ritmos, inventivo, contínuo e deus lindo.

c)   Resposta pessoal.

d)   Resposta pessoal.


5)    
a)   As imagens e o texto demostram que a fortaleza, embora tenha sido construída pelos portugueses para conter invasões estrangeiras, acabou sendo utilizada para diversos fins que não o militar, como estalagem, prisão, sede de órgãos públicos e museu. O texto e a imagem de 1996 afirmam a importância da construção da fortaleza para fundação da cidade de Macapá.

b)    
1782 Construção da fortaleza.
1950 Tombamento da fortaleza.
2008 A fortaleza é conhecida como museu.

c)   Importante notar que o patrimônio cultural é um bem que conserva a história e preserva a identidade de uma comunidade. Preservar e restaurar um patrimônio é resgatar a memória de um povo.

d)   Pessoal.

quinta-feira, 9 de março de 2017

8ª ano 7ª série INSP 2017 - Correção atividades do livro páginas 26 e 27.


    1)   A maioria dos moradores livres de São Paulo não tinham dinheiro suficiente para comprar escravos africanos, a base do trabalho foi a mão de obra indígena, que passaram a ser capturados pelos bandeirantes, gerando lucro para os comerciantes da Vila de São Paulo. Os Índios ajudaram os bandeirantes mostrando- lhes os caminhos que conheciam ainda não explorados pelos colonizadores. Além de mostrar os frutos que podiam ser consumidos nas matas e plantações para ajudar no retorno das viagens.


    2)    
Conflitos Nativista
Revolta de Beckman
Guerra dos Mascates
Quando e onde ocorreu
Maranhão 1684
Pernambuco 1710 - 1711
Setores envolvidos
Fazendeiros liderados por Manuel e Thomas Beckman
Conflito entre as Elites, Olinda os Fazendeiros e os comerciantes portugueses de Recife.
Motivos
O monopólio da Companhia de Comércio do Maranhão que vendia caro os escravos, ferramentas e roupas e comprava alterava os pesos e medidas gerando um descontentamento da população.
Os olindenses aumentam os impostos sobre toda a região, onde os comerciantes de Recife eram submetidos politicamente a Olinda, porém Recife começou a se desenvolver graças aos investimentos dos holandeses (porto) e o comércio cresceu (portugueses) tanto desenvolvimento Recife é elevada à categoria de Vila (Coroa) e isso gera ciúmes dos fazendeiros de Olinda que não vinham bem financeiramente invadem a Vila de Recife em 1710.
Desfecho
Irmãos Beckman ocuparam os armazéns da Companhia de Comércio do Maranhão, depuseram o Governador da capitania e expulsaram os jesuítas. A revolta foi reprimida pela Coroa com enforcamento dos irmãos, o fechamento da Companhia de Comércio e liberação da escravização indígena.
Em 1711, a Coroa nomeou como novo governador de Pernambuco Félix José Machado, que ajudou os mascates e mandou prender os latifundiários (fazendeiros) de Olinda envolvidos na guerra e Recife se torna sede da capitania de Pernambuco.

     3)   O historiador refere-se ao caráter litorâneo da colonização portuguesa nos 150 primeiros anos após a conquista. Os lucros com o açúcar, a necessidade de proteger a costa contra invasões, a divisão estabelecida pelo Tordesilhas e as dificuldades de penetração do sertões explicam a fixação no litoral. Em meados do século XVII, as bandeiras, monções, as missões jesuíticas, a criação de gado no Nordeste e no Sul e a descoberta do ouro em Minas ampliam a colonização para o interior da colônia, expandindo o território da América Portuguesa e consequentemente do território brasileiro.

    4)   C
  
    5)
   
    a) A região Nordeste.

b) São Paulo

c) A maior parte das terras da Região Norte pertencia a Espanha acordado com o Tratado de Tordesilhas. A ocupação dessa região distante do litoral começou no século XVII, porém a região nordeste começou a ser ocupada desde o início da colonização. No litoral do Nordeste estava relacionada a agricultura (exportação de cana de açúcar) e no interior a criação de gado voltada para o mercado interno e na Região Norte a ocupação foi promovida pela exploradores das drogas do sertão e jesuítas.
(Importante lembrar que as Bandeiras e as Monções não respeitaram o Tratado de Tordesilhas).

d) A ocupação portuguesa dessas terras ocorreu, com a expansão da pecuária destinada ao abastecimento do mercado interno.

     6)   
    
     a)   O ensino das letras significa o ensino da língua portuguesa. Notem que a língua de um povo é um instrumento de poder e identidade, desta forma a Coroa com Marquês de Pombal proíbe o Tupi Guarani e impõe o português. Atualmente, o ensino da língua materna é essencial para desenvolver nas crianças e jovens um sentimento de pertencer a uma comunidade nacional, de partilhar com os demais cidadãos do país uma história, uma cultura e um território comum.


b) As escolas serviam para ensinar os alunos a ler, escrever, contar e cantar. Já os colégios tinham objetivo de propor novos missionários.

c) Pessoal
Aculturação da população indígena provocaria a desorganização das sociedades nativas comprometendo a preservação de sua cultura.